‘Quem só pensa em gerar lucro precisa se reinventar’

Indiano "com um pezinho no Brasil", o empreendedor Dhaval Chadha reflete sobre o futuro do mundo dos negócios - e o que você deve saber para sobreviver às mudanças

Daniela Paiva, do , em 15.02.2016
dhaval em palestra do tedx porto alegre [Anderson Astor/GustavoZille/Flickr/CreativeCommons]

Em pouco tempo de conversa com Dhaval Chadha, uma palavra se sobressai a todas as outras. É repetida não como um mantra que quer martelar na cabeça. Ela, a tal palavra, é protagonista do contexto de quem a profere, e tudo bem se não faz sentido para outrem. No caso de Dhaval, é “larger than life” (maior do que a vida): propósito.

Aos 29 anos, esse indiano que estudou Ciências Sociais em Harvard e passou o início da fase adulta e rumo à maturidade pré-balzaca no Brasil, tem um propósito muito claro e até simplista – aparentemente, convenhamos: o de construir um mundo melhor. Para ele, para você, para mim, para todos. Missão e tanto. E é esse preceito verticalizado que rege tudo o que gira em torno deste empreendedor, já com quatro empresas fundadas no currículo.

O Brasil tem “culpa” nisso. Foi no país que o seu pensamento foi semeado, plantando, fortificado e erguido. Primeiro como estudante, um mero curioso da América Latina durante um período de intercâmbio. Depois veio com uma bolsa, e por escolha criou raízes. A primeira é a Cria, uma consultoria estratégica de novos negócios que surgiu em 2008. Sua história já foi contada no Draft. A segunda, a aceleradora Pipa, nasceu dois anos depois como um desdobramento do trabalho da Cria. Ambas funcionam como estimuladoras estritamente de negócios que façam bem para o planeta.

Leia também: ‘Lucro e propósito devem andar juntos’, diz CEO da consultoria de inovação Mandalah

A terceira raiz é mais recente, e acabou por levar Dhaval lá para longe, para o Vale do Silício na Califórnia. Ou mais ou menos isso. Depois de sete anos no Brasil, Dhaval enveredou para a meca das startups, São Francisco, por conta de novas buscas. Por lá, ele constrói os alicerces do seu mais recente empreendimento, a Sphere, uma plataforma para desenvolvimento pessoal que trabalha diversos conceitos ligados à filosofia, ciência, autoconhecimento etc. O Brasil foi na bagagem. Dhaval é sócio-colaborador da Vox Vision, um fundo para investimento de impacto da Vox Capital com operação recém-aberta na terra do Tio Sam.

Profissional e pessoal estão cada vez mais entrelaçados em uma trajetória que Dhaval procura sedimentar com base na coerência. Isso inclui yoga, meditação, círculo de pessoas próximas na mesma sintonia, práticas consumistas conscientes, escolhas profissionais dignas dos valores, crenças e do propósito (sim!) e o objetivo de se tornar vegetariano, prestes a ser alcançado – de carne, só topa frutos do mar, e uma vez por semana, por enquanto.

Confira abaixo alguns insights de Dhaval Chadha em conversa com o Draft sobre empreendedorismo, economia criativa, os desafios e as aspirações pessoais, entre outros temas.

Você foi dos um dos pioneiros da economia criativa no Brasil, com a Cria e a Pipa, no Rio. O que é o Brasil para você?
O Brasil foi uma fase muito importante e formadora da minha trajetória. No primeiro encontro, fiz um intercâmbio de cinco meses enquanto cursava Justiça Social e Ciências Sociais nos Estados Unidos. Ver a desigualdade brasileira me impactou muito mais do que na Índia. Talvez porque tenha crescido com essas coisas e, querendo ou não, você acaba se acostumando e perdendo um pouco da sensibilidade. Ficou evidente o que acontecia no mundo e isso me inspirou a começar a agir e a colaborar com outras pessoas para tentar mudar a realidade. Até então, estudava filosofia e tinha uma abordagem de ativismo, na minha opinião, reclamar e fazer pouco.

E o segundo encontro, como foi?
Voltei com a intenção de passar um ano e fiquei sete. Esses foram os meus primeiros anos como adulto, dos 21 aos 28. Minha maneira de pensar e fazer negócios foi formada na companhia de brasileiros. Tenho muita gratidão por ter tido a oportunidade conhecer muitas pessoas inspiradoras. Então o Brasil é para mim, no mínimo, o país que me tirou da inércia e levou para a ação. O que me ajudou a criar uma carreira criativa movida por propósito. A Cria e a Pipa não são só empresas no ramo da nova economia. Elas são 100% voltadas para a construção de um mundo melhor. Filtramos os projetos e as atividades da Pipa olhando para educação, saúde, reciclagem e serviços financeiros.

Por que você decidiu vir para o Brasil? O que o atraiu?
Queria conhecer a América Latina. Poderia ter sido Argentina, Chile, Bolívia, qualquer lugar. Só que esses países exigiam como pré-requisito dois anos de estudo de espanhol. Por um processo de eliminação sobrou o Brasil, com três opções: um programa de ecologia em Manaus; um de estudos interfaciais em Salvador e outro de desenvolvimento social, em Fortaleza. Escolhi o último. Na segunda vez, passei um ano com uma bolsa trabalhando no CDI (Comitê para a Democratização da Informática, ONG que leva tecnologia a comunidades carentes) e depois abri a Cria.

E por que você decidiu ir embora, depois de sete anos investindo no país? Quais são os fatores que determinaram a sua saída?
Tem a ver com a percepção de que estava trabalhando muito com investimento e consultoria. Esses são dois tipos de atividades nas quais se fala o que deve ser feito. Em consultoria, desenha-se projetos, e em investimento, ajuda-se o empreendedor. Cansei. Queria trabalhar do lado do produto e da operação, quando realmente as coisas andam e acontecem. Inclusive para futuramente talvez voltar a atuar em consultoria ou investimento com mais credibilidade. Um consultor que sempre foi consultor está se enganando e enganando os outros. Busquei o lugar mais adequado para aprofundar o meu entendimento em tecnologia, que é São Francisco.

Conheça o Imersão Empreendedorismo, veja as datas e participe!

Mais alguma coisa te levou para lá?
O segundo motivo é que cada vez mais procuro caminhos espirituais na minha jornada individual. Chamaria São Francisco de o berço da nova espiritualidade humana, combinando tanto as abordagens mais tradicionais orientais com a ciência, a psicologia e os avanços ocidentais. E São Francisco é o lugar onde tem mais pessoas com o meu perfil, jovens empreendedores movidos por propósitos, uma busca que não esta sendo respondida em qualquer lugar.

Pensa em voltar?
Nós próximos cinco anos acho que estarei em São Francisco. Não penso para além disso. Mas tenho um pezinho no Brasil. Entrei como sócio e colaborador da Vox Vision, um fundo de investimento de impacto da Vox Capital. Acabamos de abrir uma operação internacional aqui.

Você tem acompanhado a crise política e econômica no Brasil. Como analisa o impacto desse ambiente no empreendedorismo e na economia criativa?
É desafiador porque boa parte das iniciativas da economia criativa têm como principal fonte de receita o mundo corporativo. O mercado de potenciais clientes é pequeno e quando a crise entra nas grandes empresas, o primeiro corte é em impacto e inovação. As pessoas serão testadas a mostrar que um caminho diferente é possível.

O que o empreendedor brasileiro tem de específico, de diferente em relação aos empreendedores em outros países?
Existem vários tipos de empreendedores. Os que mais dão certo têm garra. Eles acreditam no que estão fazendo de uma forma enlouquecida. O que torna o empreendedor diferente é que ele percebe a realidade, mas vê o mundo como gostaria que fosse. Essa é a principal característica de empreendedores em qualquer lugar. O resto é trivial.

Ainda estamos muito distantes do Vale do Silício?
Uns 20 anos, talvez mais. Começa pelo básico, o nível educacional não se compara. Talento, quando nasce, é igual. Chegando aos 20, o brasileiro médio já está muito atrás, infelizmente. Outro aspecto é capital de risco, quem são as pessoas dispostas a isso. No Brasil, não temos ainda a primeira geração de empresas de tecnologia que deram certo.

O Brasil está à frente ou atrás dos seus parceiros do BRICs (Rússia, Índia e China) em termos de ambiente de negócios para empresas criativas?
Tenho zero conhecimento da Rússia, mas a China está em um outro nível, chegando até perto dos Estados Unidos. Cada vez mais empresas grandes com modelos que nem existem nos EUA. Índia e Brasil são difíceis de comparar pelo tamanho. Um país com seis vezes mais gente e uma economia diferente acaba tendo maiores casos de sucesso. Na média, os dois lugares não são fáceis. Mas o modelo brasileiro penaliza demais o empreendedor em fase inicial. Tem uma diferença muito grande entre uma empresa bem-sucedida e uma que nem existe. O empreendedor recém começando é taxado demais em diversas formas, principalmente do ponto de vista tributário.

Qual é o melhor ambiente para empreendedores que você já teve a chance de conhecer e que fatores o faz ser tão propício ao desenvolvimento de novos negócios?
Varia muito. As pessoas confundem os diversos tipos de empreendedorismo, que vai desde o microempreendedor comunitário até um cara que está tentando criar uma empresa de 1 bilhão em um ano. Não sei se tem uma resposta clara. Para o que estou tentando fazer, empreender uma empresa com base nas minhas crenças, valores e no impacto em grande escala, São Francisco é o melhor lugar pela presença de talento, capital, gente experiente, e pelo mercado estar propício ao produto que quero criar. Para outros objetivos, depende.

Você já fundou quatro empresas. Em que setor jamais investiria? Por quê?
Vários. Jamais investiria em petróleo, energia que não seja sustentável, álcool, tabagismo, fast fashion, construção civil tradicional, automóveis que não sejam elétricos e sustentáveis, ou em qualquer coisa que tenha um saldo negativo no mundo. Inclusive como consumidor. Eu pessoalmente não dou dinheiro para a indústria de carne. Tenho ações na Tesla, mas jamais compraria de outra empresa. Estou longe disso ainda, mas tento alinhar todo o meu comportamento, seja profissional, como pessoa, indivíduo, amigo, consumidor etc, com os valores de viver de uma forma regenerativa e não destrutiva em relação a outras pessoas e o planeta.

Você voltaria a empreender no Brasil? Se sim, em que áreas? Se não, por quê?
Sim. Voltaria a empreender em cadeias produtivas, como alimentação, agricultura, serviços financeiros, saúde, biotecnologia, energia alternativa. Tecnologia não é vertical, é horizontal.

Vivemos no Brasil um momento de mitificação do empreendedorismo. Parece que a única alternativa de trabalho feliz e com propósito é abrir uma startup. Esse meme é bom ou ruim para o ecossistema?
De forma geral, é bom. É comum acontecer em qualquer indústria e ajuda a criar o momento, trazendo um pouco de atenção. No início muita gente se envolve e depois tem um ajuste natural. Quem é sério, fica. Quem estava simplesmente seguindo um meme, vai para o próximo.

Quais são os maiores desafios para um empreendedor da economia criativa?
Manter um equilíbrio saudável entre a sobrevivência ou o sucesso financeiro e o propósito e a expressão criativa. Se você fizer só trabalhos em que acredita, talvez tenha problemas de receita a curto prazo. A longo prazo, dá certo quem realmente tem um objetivo. O dinheiro é consequência. A questão é tentar manter um equilíbrio e não perder o caminho, mas também não quebrar por ser rígido demais.

Se você pudesse dar um conselho a quem está pensando em empreender, o que seria?
Avaliar o porquê de você querer empreender. Se tem as características necessárias e se o momento é o certo. Vejo muito empreendedor que cria produto da cabeça e não a partir da necessidade do usuário. Se for a escolha for essa, aí é uma outra história.

As grandes empresas estão perdendo seu poder de atrair e reter os melhores talentos da geração Y e dos millennials. O que está faltando?
Reinventarem-se completamente. A grande maioria das empresas opera em cima de como tirar valor do mundo e distribuir para os acionistas no lugar de criá-lo. É preciso uma mudança radical. Se não fizerem isso, a inércia vai sustentá-las por um pouco de tempo, mas a morte é iminente.

Onde você quer estar em 10 anos?
Quero que a Sphere dê certo. Isso significa ajudar o usuário a ter a possibilidade de ampliar a consciência e realizar o seu potencial como ser humano. O objetivo é chegar a 1 milhão de pessoas no mínimo. Um dia quero vendê-la, não para a bolsa ou para o investidor, mas para os próprios funcionários e os criadores de conteúdos. Quero que a Vox tenha um fundo captado e investido em tecnologia disruptiva para criar um mundo melhor. Além disso, quero ter três empresas bem-sucedidas do ponto de vista de impacto e financeiro.

Leia também: É possível conciliar impacto social com uma carreira de sucesso no mercado financeiro?

E seus objetivos pessoais e espirituais nesses 10 anos, quais são?
Seguir um caminho de crescimento e consciência de forma muito séria, não chata, mas com passos significativos para frente. Fora isso, estar o mais feliz possível, ser um ótimo amigo, filho, irmão, tio, e em linha com os meus valores. Ter uma parceira de vida… E em algum momento quero trabalhar com comida e com terra. Não sei o que isso significa, mas me atrai.

O que você faria diferente se pudesse voltar 10 anos no tempo?
Acho que nada. Estou feliz com o que aconteceu e me considero sortudo. Tenho tentado adotar uma atitude de gratidão e abundância. Olhar para a minha vida e ver que ela tem sido excelente. Não pensar com uma cabeça de escassez, no que eu poderia ter tido. Já tenho suficiente.

Como e onde você consome informação no dia a dia? O que ou quem você segue? Quais são suas leituras obrigatórias?
Não leio muita notícia. A mídia está muito podre e vive de sensacionalismo. Quanto mais eu leio, mais fico triste e acho que o mundo está indo por um caminho errado. Acesso de maneira social, Facebook ou e-mail. Tenho uma conta no Twitter, mas não uso. Como leituras obrigatórias, considero alguns livros importantes no meu caminho: Sex, Ecology, Spirituality (Ken Wilber); Freedom from the Known (Jiddu Krishnamurti);Reinventing Organizations (Frederic Laloux); Spiral Dynamics: Mastering Values, Leaders and Change (Don Edward Beck, Cristopher C. Cowan) e Thus Spoke Zarathustra: A Book for All and None (Friedrich Nietzsche).

Se tivesse 1 milhão de dólares para investir, faria o quê?
Depende. Do meu dinheiro, criaria um portfólio seguindo diretrizes padrão no mercado de quanto você coloca em alto e baixo risco. Continuaria investindo parte em startups de impacto, e outra em empresas na bolsa que acredito, como a Tesla, alinhada com a minha visão de futuro e com performance atraente. Investiria em bitcoin, projetos de imóveis sustentáveis, terra, em regiões que tenham essa visão de manter a floresta em pé.

Que pecado considera indesculpável num colaborador?
O mais indesculpável é o comportamento antiético. Porque a gente é humano, todo mundo erra. Mas o erro ainda é um erro e temos que olhar para ele como tal, aprender e melhorar. Agora, comportamento intencionalmente antiético não tem desculpa. Aí a pessoa está fora e não sou nem eu, a empresa inteira vai decidir que quem fez isso está fora.

Como imagina que as pessoas vão lembrar de você?
Gostaria que lembrassem como alguém que tentou realmente viver com um propósito e criar iniciativas, organizações, empresas que buscam construir um mundo melhor. Que era um bom líder, um bom amigo.

A seguir, assista à fala de Dhaval Chadha no TEDx Porto Alegre:

Este artigo foi originalmente publicado em DRAFT