Um Projeto: Fundação Estudar
sala de reuniao com pessoas debatendo

Goldman Sachs: como é a cultura do banco americano

Por Cecília Araújo

Conheça o estilo de trabalho e as principais características da empresa, que se afastam dos estereótipos do mercado financeiro

Conhecida pela agressividade no estilo de trabalho e pelo grande número de horas trabalhadas, a indústria de mercado financeiro vem repensando suas políticas para atrair e reter os jovens, que buscam cada vez mais equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Algumas empresas, inclusive bancos, estão aos poucos permitindo certa flexibilidade no horário de trabalho em determinadas áreas e até o home office em alguns dias da semana – o que nos Estados Unidos já é bastante comum. Também priorizam a colaboração ao invés de estimular a competição entre a equipe.

Com mais de 30.000 funcionários por todo o mundo, o banco americano Goldman Sachs é uma dessas empresas que tentam fugir dos estereótipos. “Fazemos de tudo para que os estagiários não ultrapassem as 6 horas diárias de trabalho, por exemplo. Muitas vezes são eles que pedem para ficar mais”, diz Maria Cristina Sampaulo, vice-presidente de Gestão de Capital Humano do banco.

Segundo ela, a empresa também aposta na chamada “no star policy”. “Por sermos prestadores de serviços, nosso maior patrimônio são os nossos funcionários. E se todas as pessoas que contratamos são boas, não há motivos para ninguém virar ‘estrela’ aqui dentro. Trabalhamos num ambiente em que todos têm voz ativa e perspectivas diferentes são valorizadas”, diz.

Conheça mais sobre a cultura da empresa:

Meritocracia
Os funcionários têm espaço para expandir seu escopo e assumir novas responsabilidades na empresa. “Quando uma pessoa mostra que está performando além do esperado, todos reconhecem que ela mudou de nível e está pronta para ser promovida”, diz Maria Cristina.

Mobilidade
O Goldman Sachs permite que seus funcionários naveguem pelas diversas áreas do banco, incluindo a possibilidade de mudar de país. “Para incentivar essa mobilidade, a empresa oferece várias oportunidades de networking, para que o próprio interessado trace suas estratégias de transição ou promoção”, afirma Maria Cristina.

Trabalho em equipe
Em um ambiente muito mais colaborativo do que competitivo, a comunicação entre os membros da equipe é muito importante. “É esperado que o funcionário compartilhe suas experiências com os colegas continuamente no decorrer das suas tarefas. Acreditamos que a opinião de outros pode ajudar a aperfeiçoar o projeto no meio do caminho”, diz.

Consenso
Todos têm voz ativa, não importa o cargo que ocupam. Antes de se decidir qualquer coisa, é esperado o consenso. “Se por um lado a tomada de decisão é mais lenta, uma vez que ela é feita todos vestem a camisa e se dirigem ao mesmo objetivo comum. Ao tentar convencer o grupo de que sua ideia é a melhor, você recebe ‘nãos’. É obrigado a olhar para o projeto sob outros pontos de vista e desenvolver melhor a sua defesa até que todos falem ‘sim’”, explica.

Diversidade
Se dentro do Goldman Sachs os produtos oferecidos aos clientes são serviços, o banco precisa sempre de ideias inovadoras. “Em um grupo homogêneo, as ideias geradas costumam ser muito parecidas, por isso acreditamos tanto na diversidade. Um ambiente inclusivo é a melhor maneira da pessoa se sentir a vontade para performar de forma integral e trazer o melhor de si para o trabalho. Para auxiliar no recrutamento e atividades de retenção e desenvolvimento dos grupos em minoria, nós temos as redes de afinidades internas com foco em diferentes temas (como gênero, etnia, LGBT e outros) onde todos os funcionários são convidados a participar por escolha individual, sejam pertencentes aos grupos ou simpatizantes dos temas.”, diz Maria Cristina.

Troca de conhecimentos
A empresa acredita na importância do desenvolvimento dos funcionários e da troca de conhecimentos entre equipes. “O Goldman Sachs promove mais treinamentos do que podemos acompanhar e os escritórios do banco em outros países estão muito próximos de nós, sempre nos dando apoio. Se preciso de alguma informação, tenho acesso a qualquer pessoa da matriz americana que possa me ajudar, independentemente da sua senioridade”, afirma.

Responsabilidade social
O banco tem um programa de voluntariado ofertado para os funcionários, em que permite que eles passem um dia útil fora do escritório, trabalhando junto a uma organização não governamental da cidade em questão, em cima de um tema de interesse comum. “A ideia é garantir espaço e tempo para que possamos voltar nosso trabalho para dar retorno para a comunidade que fazemos parte.”

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.

 

Dica do Na Prática:

Ainda não sabe qual rumo dar para a sua carreira? Não deixe de conhecer bem de perto o mercado de trabalho antes de tomar qualquer decisão, pois um erro nesta etapa pode gerar grandes frustrações, te levando até caminhos que não fazem sentido para você. Mas fique tranquilo, foi pensando neste desafio que a Fundação Estudar criou o Carreira Na Prática, um curso no qual você irá visitar empresas, entender a rotina de trabalho e tirar dúvidas com profissionais para tomar decisões mais embasadas. Inscreva-se até este Domingo, 29/05, com 20% de desconto usando o cupom MINHACARREIRA. Clique aqui para saber mais!

 

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo