Foto via Unsplash

Em 2020, enquanto boa parte da economia passava por dificuldades, o setor de tecnologia foi um dos poucos a registrar crescimento no Brasil, com alta de 23%, segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Software (ABES).

No período, o consumo digital cresceu, novos postos de trabalho foram abertos e novas empresas, em toda parte, surgiram. Mas o que poderia parecer um crescimento isolado em um mar de resultados negativos deve ser visto como uma oportunidade para o país.

Se preparando para uma entrevista desafiadora?

Conte com quem mais entende do assunto com o curso Processos Seletivos Na Prática

Essa é a visão de Mariana Penido, diretora de produtos do isaac, uma empresa de tecnologia que cria soluções para escolas e para a educação. Na visão dela e da sua organização, a tecnologia não pode mais ser vista como um setor à parte na indústria.

“Faz muitos anos que a tecnologia deixou de ser um setor. Ela faz parte de todas as indústrias, de todos os setores, de todas as empresas. Ela é um viabilizador para tornar o dia a dia mais simples.”

Mariana deu entrevista ao Na Prática e relatou suas impressões sobre educação, tecnologia e futuro, e deu um panorama sobre como sua empresa tem ajudado a aproximar as escolas do propósito de ensinar.

Tecnologia e o propósito de ensinar

Segundo Mariana, um dos grandes objetivos do isaac no início era tornar o dia a dia dos gestores escolares mais simples. Para os fundadores, o tempo gasto nas escolas em processos burocráticos afastava, e ainda afasta, os gestores do propósito de ensinar.

Ela afirma, por exemplo, que 70% do tempo utilizado nas escolas hoje é com processos dessa natureza.

Foi nesse ponto que a tecnologia entrou para mudar o rumo das coisas. Para sanar o problema, o isaac criou plataformas de gerenciamento de pagamentos e outros custos que levam simplicidade e previsibilidade para gestores.

“A ideia é que o contato entre escola e comunidade, pais e alunos, seja para além do processual”, diz Mariana. “Tudo aquilo que a gente pode apoiar com tecnologia, a gente traz pra nossa plataforma e pro mundo digital”.

Segundo a diretora, a ideia nasceu através de pessoas que já trabalhavam há décadas com educação e que perceberam lacunas entre os modelos de gestão nas escolas e os encontrados em empresas modernas.

“A gente percebeu que os negócios precisavam de tecnologia e que educação precisava muito de tecnologia”, relata Mariana. “Nós precisamos olhar pra fora, ver o que já está feito e incorporar visões ao mundo d a gestão escolar brasileira.”

Carreira em tecnologia com propósito social: qual o desafio?

Um dos pontos abordados por Mariana durante a entrevista relaciona carreiras em tecnologia com propósito social. Segundo ela, um grande problema nesse ponto é que as pessoas têm desejo de trabalhar com tecnologia por conta das ferramentas e quase nunca para encarar e solucionar problemas da sociedade.

Para ela, porém, é fundamental pensar que a tecnologia está a serviço de pessoas e dos problemas enfrentados pelas pessoas. Por isso, é preciso saber que, no meio, conectar-se a seres humanos será mais importante do que se conectar às máquinas.

“Não adianta pensar que só conhecimento técnico vai resolver os problemas da sociedade”, afirma ela ao dizer que o perfil buscado no mercado hoje é mais relacionado a habilidades comportamentais do que a habilidades técnicas.

Os melhores conteúdos para impulsionar seu desenvolvimento pessoal e na carreira.

Junte-se a mais de 1 milhão de jovens!
Casdastro realizado, fique ligado para os conteúdos exclusivos!
Seu cadastro não foi realizado, tente novamente!

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: