Um Projeto: Fundação Estudar
Jovens conversando. Como desenvolver sua habilidade de comunicação

5 passos para desenvolver sua habilidade de comunicação

Por Suria Barbosa

Se tem uma habilidade que serve em qualquer campo de atuação, é a de comunicação. Dominá-la é uma ferramenta poderosa para a carreira. Mas não se preocupe, é possível desenvolver sua expressividade; conversamos com uma especialista para saber como.

Embora algumas carreiras e profissões tenham uma relação direta com a habilidade de comunicação, ela é necessária para todo profissional em algum momento. Seja durante uma entrevista de emprego, o cotidiano no trabalho, ou quando é preciso realizar uma apresentação, nos momentos de networking… 

Falar bem nunca será uma habilidade desperdiçada. Mesmo porque, a forma com que se expressa é parte indispensável da comunicação interpessoal, a troca de informações entre duas ou mais pessoas que se dá por meio de sinais verbais ou não verbais.

Aliás, “falar bem” envolve dois campos: o do conteúdo e o da expressão, explica Márcia Falabella, professora de Comunicação e Expressão Oral da Universidade Federal de Juiz de Fora. Conteúdo, basicamente, é o que se fala. Aqui, o discurso é adaptado e organizado de acordo com o tema, tempo de fala e público.

Cursos da Fundação Estudar

A maior parte dos problemas está no quesito “expressão”. Ou como se fala. A boa notícia: tudo bem não nascer sabendo. “Da mesma forma com que aprendemos a falar, também podemos desenvolver essa expressividade”, diz Márcia, que também é atriz e diretora.

No que prestar atenção

Para analisar sua habilidade de comunicação, a sua capacidade de se expressar, existem alguns elementos-chave. A respiração, a voz, o olhar, a parte corporal – “desde os pés”, diz Márcia. Se ele balança, por exemplo, pode ser um sinal de nervosismo. O truque é controlar o nervosismo, ou não demonstrá-lo em sua linguagem corporal.

Márcia aponta, ainda, o ritmo e o volume da fala. Todos os quesitos devem se adequar às circunstâncias, no entanto, sempre procurando limitar sinais que possam ser tidos como negativos, como a ansiedade.

Outro ponto a se trabalhar é a naturalidade. Programar movimentos ou decorar o texto prejudicam esse ponto. A naturalidade é importante para mostrar o preparo (na medida certa) e, por vezes, até a credibilidade do locutor.

“São mínimos detalhes”, comenta Márcia. Porém, são detalhes que se tornam “ruídos na comunicação” quando mal utilizados. Claro, cada área tem sua especificidade, mas, no geral, isso é prejudicial para a comunicação. A mensagem precisa ser passada de forma clara e com o grau de informalidade adequado. O ideal é que o locutor mostre que sabe utilizar dos “meios expressivos” para se comunicar bem.

Sinta-se mais seguro em conversas difíceis e desenvolva seu poder de influência com o Curso Comunicação Interpessoal Na Prática

Dicas para desenvolver sua habilidade de comunicação

1. Identifique os “ruídos”

Para perceber os próprios problemas na comunicação, Márcia recomenda prestar atenção nos outros, quando falam. Principalmente nos que considera que falem bem ou mal. Para você, quais comportamentos os diferem?

2. Leia em voz alta

A especialista indica praticar leitura oral diariamente. Isso pode ser feito com trechos de livros, de jornais, revistas – o importante é lê-los em voz alta. Assim, “você acostuma com sua maneira de falar e vai ganhando fluência na fala”, diz ela.

3. Lembre que as palavras têm características

“Se você diz um coisa leve, ela é leve; se você diz uma coisa pesada, ela é pesada e isso está na sonoridade da palavra, na maneira com que falamos”. Nesse quesito, também preste atenção à adjetivos e pontuação expressiva. Uma pausa, por exemplo, pode ser utilizada para realçar algum ponto.

4. Pratique a naturalidade

Os movimentos ou a posição da mão afetam a naturalidade na hora de se expressar. A dica da especialista é esquecê-la. “Se você começa a programar como é que vai usá-la, a fala fica falsa”, explica.

Da mesma forma, quando é preciso decorar um texto, o ideal é treinar muito. Do contrário, você corre o risco de não só perder a naturalidade, como a empatia com o público.

Leia também: O que é comunicação interpessoal?

5. Estruture em tópicos

“Eu costumo dizer que uma fala em público é igual a um trem – você entra nele e só sai no seu ponto final”, brinca Márcia. “Qual é o seu objetivo? Aonde você quer chegar? Esse trem para em várias estações”, completa.

Em vez de decorar, estruture sua fala em tópicos. Eles vão impedir que se preocupe exageradamente com o conteúdo e vão evitar que se perca no assunto. “É um mapa de viagem”, diz a professora de comunicação.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo