Um Projeto: Fundação Estudar
Making of da série 3%, da Netflix

3%: Como um projeto de faculdade deu origem a primeira série brasileira na Netflix

Por Ana Pinho

Veja a jornada de "3%" e entenda como a série criada por universitários da USP foi da rejeição à presença em mais de 190 países, tornando-se a primeira produção brasileira da Netflix

Em 5 de agosto de 2015, veio o anúncio oficial: “3%”, uma ficção científica sobre um Brasil distópico, seria a primeira série brasileira Original Netflix. Foi o fim de uma longa jornada e o começo de outra, ainda mais desafiadora, para seus criadores.

O que começou como ideia na Universidade de São Paulo (USP) seis anos e dez rejeições antes agora era algo gigante, com orçamento estimado em R$ 10 milhões e espectadores em 190 países.

Criada por Pedro Aguilera, “3%” tem quatro diretores: Daina Giannecchini, Dani Libardi, Jotagá Crema e César Charlone. Charlone já foi indicado ao Oscar de Melhor Fotografia por seu trabalho em “Cidade de Deus” e trouxe experiência de peso ao grupo, amigos dos tempos de curso de Audiovisual na USP e unidos pela persistência e amor ao projeto.

Por trás de “3%”

A história do seriado se mistura com a história da internet e começa no YouTube, com o vídeo “Matrix Baixo Orçamento”, um pequeno hit de 2006 com mais de 180 mil visualizações criado pela turma. O exercício de aula chamou a atenção da produtora Maria Bonita Filmes, que convidou os universitários para formar um coletivo criativo no segundo ano de faculdade.

“Aos poucos fomos crescendo e ganhando editais”, conta Jotagá, que abandonou a Escola Politécnica da USP no quarto ano de faculdade para se tornar cineasta. (O insight veio, aliás, quando foi pego colando por um professor. O alívio foi tanto que Jotagá contou aos pais no mesmo dia que trocaria de curso.)

Sobre isso, ele escreveu um texto em seu Facebook que na época teve grande repercussão – “Eu não sou um engenheiro” – e logo depois publicou uma coluna na Folha de São Paulo. “Mudar muitas vezes é necessário. Ninguém precisa ter medo ou vergonha por estar no lugar errado na hora errada. É um ato de coragem perceber isso e descobrir o melhor para si mesmo”, escreveu. 

Leia também: Entenda o processo criativo do polêmico diretor Oliver Stone

Já no curso de Audiovisual da USP, ele desenvolveu a ideia de Aguilera junto ao coletivo para um edital de 2009. Criaram a bíblia da série (uma espécie de manual de instruções televisivo, que explica aquele universo) e filmaram um episódio piloto de “3%” – são chamados assim os episódios para ‘vender a ideia’, que têm a intenção de apresentar uma proposta de série para para investidores e executivos de emissoras de televisão. O piloto foi transmitido pela TV Brasil.

“A Maria Bonita nos deu todas as condições para fazer um bom piloto, mas acabamos não ganhando a temporada”, continua Jotagá. Era o começo da batalha. “É um projeto difícil. Os executivos hesitavam por conta do tamanho, do orçamento alto e do gênero ousado. No fim, tínhamos que provar que as pessoa iriam gostar.”

Um ano depois e ainda apaixonados pela ideia, os criadores decidiram comprovar a demanda por conta própria. Dividiram o episódio em três, transformaram em websérie, disponibilizaram gratuitamente no YouTube e investiram pesado na divulgação online.

Redigiram uma lista de cem nomes da imprensa e dispararam e-mails. “Falávamos que era uma série de ficção científica de alunos da USP em busca de um canal e começou a pipocar em vários lugares”, lembra Jotagá.

Empolgados com a boa recepção, legendaram os episódios em inglês e fizeram uma nova leva de divulgação, dessa vez internacional, pesquisando e-mails de jornalistas no Google. Fisgaram a “Wired”, publicação de tecnologia muito respeitada nos EUA – e, sem saber, Eric Barmak, vice-presidente de conteúdo global da Netflix.

A Netflix e o Brasil

A essa altura formados, os integrantes do coletivo dividiam os esforços de publicidade da ideia da série com o início de carreira na área. Nessa época ainda não vigorava a “Lei do Cabo”, que exige três horas semanais de produção nacional em canais pagos.

“Encontrar trabalho foi difícil e desenvolvíamos as coisas sem ter perspectiva de vender de verdade, mas depois da lei o setor audiovisual floresceu”, fala Jotagá, citando uma pesquisa da Agência Nacional de Cinema (Ancine) que indica um crescimento do setor de 9% ao ano. Entre trabalhos, o grupo acabou conhecendo Tiago Mello, hoje produtor de “3%”. 

Leia também: Sete lições de empreendedorismo de uma produtora de filmes independente

Ao mesmo tempo, a Netflix crescia exponencialmente e dava os primeiros passos para a criação de conteúdo original.

O Brasil sempre foi importante para a empresa. Como seu primeiro mercado externo, o país se tornou uma espécie de laboratório para a Netflix, que tem cerca de 6 milhões de assinantes brasileiros e faturamento anual estimado em R$ 1,2 bilhão – maior que o do SBT.

Com o sucesso do primeiro seriado da casa, “House of Cards”, lançado em 2013, a produção interna começou a crescer. Dois anos depois, a Netflix abriu uma competição no Brasil e a turma de “3%”, já conhecida por Barmak, se inscreveu e ganhou o contrato.

Os criadores da série 3% da Netflix


[Dani Libardi, Pedro Aguilera, Daina Giannechini, César Charlone, Tiago Mello e Jotagá Crema – Pedro Saad/Netflix]

Após seis meses de roteirização, a temporada de oito episódios, produzida pela Boutique Filmes, foi filmada no primeiro semestre de 2016 e lançada no fim do segundo, em 25 de novembro.

Entre 2009 e 2015, “3%” ganhou maturidade e complexidade, assim como seus criadores e, com a infraestrutura da Netflix, evoluiu ainda mais. Quando chegou enfim a madrugada do lançamento, os realizadores se encontraram para acompanhar a recepção pelo Twitter.

lf1HhieoH


Cena do episódio de lançamento de 3% [reprodução]

Assistiram empolgados a ascensão da hashtag na lista de trending topics do Brasil e do mundo. “A imprensa criticou bastante, só que o público amou”, opina Jotagá, destacando os mais de 300 mil fãs nas páginas de redes sociais. “Nós sempre acreditamos muito no projeto e fizemos o projeto que queríamos. É um orgulho gigante ver que está indo bem aqui e lá fora também.”

Sem desanimar, o grupo absorveu as críticas, aumentou o número de pessoas na equipe e mergulhou na criação da segunda temporada, já confirmada pela Netflix e ainda sem data de estreia.

Lembrando-se das rejeições que tiveram ao longo dos anos, Jotagá destaca a importância da persistência e do autodesenvolvimento. “Você vai receber várias negativas mesmo, mas é preciso ouvir as críticas e não desistir”, afirma.

Afinal, como estudantes num campus em São Paulo poderiam ter previsto, num já longínquo 2009, que algo como o Netflix existiria no mundo? “É uma revolução no meio e um privilégio estar fazendo parte disso”, conclui ele. Um privilégio, vale destacar, 100% nacional.

Baixe aqui o ebook: O guia para aproveitar melhor a faculdade

 

Dica do Na Prática:

Ainda não sabe qual rumo dar para a sua carreira? Não deixe de conhecer bem de perto o mercado de trabalho antes de tomar qualquer decisão, pois um erro nesta etapa pode gerar grandes frustrações, te levando até caminhos que não fazem sentido para você. Mas fique tranquilo, foi pensando neste desafio que a Fundação Estudar criou o Carreira Na Prática, um curso no qual você irá visitar empresas, entender a rotina de trabalho e tirar dúvidas com profissionais para tomar decisões mais embasadas. Inscreva-se até este Domingo, 29/05, com 20% de desconto usando o cupom MINHACARREIRA. Clique aqui para saber mais!

 

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo