Um Projeto: Fundação Estudar

Ele criou uma startup para ajudar a integrar refugiados no Brasil

Por Ana Pinho

Com um modelo validado financeira e socialmente, o Migraflix permite que imigrantes divulguem sua cultura através de workshops e atividades culturais

Em 2014, o economista argentino Jonathan Berezovsky se mudou para o Brasil. Ele veio de Tel Aviv, onde morava desde 2009, animado pela cena empreendedora local (berço de várias empreitadas de sucesso, como o Waze), e onde tinha fundado sua própria startup, a Townflix, um app que funciona como uma rede social de vídeos.

A ideia deu certo e Jonathan decidiu trazê-la ao Brasil. Quando fez as malas, trouxe consigo algo além do aplicativo: suas experiências empoderando refugiados em Israel através de trabalhos com microcrédito.

Ao desembarcar num país que via crescer sua parcela de refugiados e imigrantes – segundo o Ministério da Justiça, o Brasil tem hoje quase 9 mil refugiados de 79 países –, a ideia de fazer algo para ajudá-los a se integrar na sociedade começou a fermentar.

QUER TRABALHAR NA COM EMPREENDEDORISMO E TECNOLOGIA?
INSCREVA-SE GRATUITAMENTE NA MELHOR CONFERÊNCIA DE CARREIRAS

“Acabei encontrando obstáculos jurídicos para trabalhar com microcrédito e então pensei em encontrar outra maneira de fazer isso”, lembra. O resultado é o Migraflix, ONG fundada em setembro de 2015 com o objetivo de empoderar refugiados e imigrantes através da divulgação de suas próprias culturas.

O Migraflix

Ao colocar refugiados e imigrantes na posição de professores – de gastronomia, caligrafia, dança – disponibilizando seus cursos e workshops online, eles se sentem valorizados e se conectam a alunos que se importam com seu trabalho e história, não apenas com seu status.

É um ciclo virtuoso: os alunos também ganham novas perspectivas, que reverberam socialmente. “Em qualquer sociedade, ainda há grupos que têm preconceitos, principalmente por ignorância”, diz Jonathan, hoje focado na iniciativa em tempo integral. “Nosso trabalho é importante para que as pessoas se conheçam e quebrem essas barreiras.”

Leia também: Entrevistamos os brasileiros que criaram hino e bandeira para refugiados nas Olimpíadas

Na prática, isso se traduz em atividades culturais, como workshops, feiras, serviços de catering e palestras, e em capacitação técnica e treinamentos diversos.

Ao longo de um ano e meio, o número de voluntários chegou a vinte pessoas, que trabalham com cerca de setenta refugiados e imigrantes de 23 países em quatro capitais brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília). O modelo, inclusive, já foi validado financeira e socialmente.

Um dos principais exemplos é a campanha Meu Amigo Refugiado, em que o Migraflix fez uma chamada para quinze famílias acolherem um refugiado durante o almoço de Natal de 2016. No fim, mais de duas mil famílias se cadastraram. 

“A recepção do projeto por parte de empresas e instituições e, principalmente, pela sociedade brasileira tem sido realmente incrível”, empolga-se Jonathan.

Questão de família

“Minha avó foi refugiada na Segunda Guerra Mundial, quando fugiu da Polônia, e na época não existia o Estatuto do Refugiado da ONU, que foi criado em 1951”, conta. “Ela estava na mesma situação em que muitos estão hoje em dia.”

Leia também: Por que as empresas do Vale do Silício tem 45% de funcionários estrangeiros?

É o caso da história que se repete, opina. Enquanto alguns governos abrem suas portas (o Brasil, por exemplo, se comprometeu a receber 3 mil sírios de campos de refugiados ainda em 2017), outros se fecham empregando rótulos generalistas. Substitua “comunistas” por “terroristas”, “judeus” ou “ilegais”, por exemplo, e o raciocínio fica claro.

“O mais importante para a integração dessas pessoas é conhecê-las”, resume. “São pessoas incríveis que estão chegando, do mundo inteiro, para tornar a sociedade mais cosmopolita e rica em todos os sentidos. É preciso aproveitar isso.”

Migraflix - 2
Equipe do Migraflix [reprodução] 

Uma startup enxuta no terceiro setor

Esta é a primeira iniciativa de Jonathan, um empreendedor serial, no terceiro setor, mas ele não viu motivo para aplicar ferramentas diferentes no processo. Foi empregando conceitos como lean startup, ou startup enxuta, que sua equipe criou a estrutura atual, ainda em constante mutação.

“Vimos o que já existia no mercado, escolhemos um modelo de workshop como benchmark e fomos criando coisas parecidas”, lembra. “Não ficamos seis meses desenhando algo para depois vendê-lo: criamos, vendemos, improvisamos muito e melhoramos as coisas para o próximo.” E assim, na melhor lógica enxuta, o Migraflix foi tomando forma e se adaptando com velocidade. 

Hoje, tem um modelo de negócios baseado em parcerias com organizações brasileiras (que emprestam seus espaços para os eventos) e eventos pagos. Oitenta por cento do valor é encaminhado para os professores, enquanto o restante cobre os custos da plataforma.

Com planos de se tornar um negócio social num futuro próximo, a ONG atualmente se prepara para captar investimentos, abrir um espaço para doações de pessoas físicas e ampliar suas áreas de atuação.

“O legado que queremos deixar é ter refugiados e imigrantes autossuficientes economica e socialmente no Brasil, recomeçando suas vidas e crescendo com os direitos e deveres de qualquer brasileiro”, resume Jonathan. “Sonho que meu trabalho contribua para que essas pessoas realmente consigam recomeçar suas vidas.”

Baixe o ebook: 14 brasileiros que estão colocando o país no mapa do empreendedorismo social

QUER TRABALHAR COM EMPREENDEDORISMO E TECNOLOGIA?
Inscreva-se em nossa Conferência de Carreiras gratuita até 3/9!

O evento, que acontece em São Paulo em 30 de outubro, reunirá diversas fintechs, legal techs, social techs, startups de educação e de mobilidade, mais empresas de tecnologia grande porte – todas em busca de novos talentos para suas equipes.

Além de conferir painéis com profissionais sobre as diferentes áreas de atuação no segmento e bate-papo com líderes inspiradores, os jovens poderão interagir pessoalmente com recrutadores, participar de sessões de speed coaching e expandir suas redes de contatos.

As vagas são limitadas e as inscrições encerram no dia 03 de setembro. Garanta a sua inscrição agora mesmo!

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo