Vigilância foto criado por pressfoto - br.freepik.com

O investimento em tecnologias de inteligência artificial e a busca por uma maior efetividade dentro dos processos industriais e organizacionais tem feito o setor de robótica crescer exponencialmente nos últimos anos. Segundo a empresa de pesquisa de mercado BCC Research, o mercado global de robôs foi avaliado em US$ 55,8 bilhões no ano passado e deve se expandir para US$ 91,8 bilhões até 2026. 

Principais conceitos do mundo a robótica

A robótica é um campo de estudo que engloba ciência, engenharia e tecnologia com o objetivo de produzir máquinas – também chamadas de robôs – capazes de ajudar pessoas, muitas vezes reproduzindo ou substituindo ações humanas. Esses produtos são amplamente utilizados em setores como o automobilístico para realizar tarefas repetitivas e simples ou em indústrias em que o trabalho deve ser realizado em ambientes perigosos para seres humanos. 

Para ser considerado de fato um robô, o produto deve conter três características essenciais:

  • Construção mecânica para realizar a função para o qual foi projetado;
  • Componentes elétricos que controlem e alimentem a máquina;
  • Algum nível de programação de computador para que ele compreenda quando e como realizar uma tarefa.

As máquinas robóticas podem ser feitas com diversos designs, funcionalidades, formas tamanhos e graus de autonomia. De forma geral, os robôs podem ser divididas em cinco categorias: 

Pré-programados: Também chamados de robôs industriais, operam em um ambiente controlado onde realizam tarefas simples e monótonas. Exemplo: um braço mecânico em uma linha de montagem automotiva. 

Humanóides: Se parecem e/ou imitam o comportamento humano e costumam realizar atividades semelhantes às de uma pessoa. Um humanóide bastante conhecido é a Sophia da Hanson Robotics. 

Autônomos: Funcionam sem a assistência de operadores humanos. Geralmente são projetados para realizar tarefas em ambientes abertos que não requerem supervisão humana. Dois exemplos são drones autônomos e aspiradores de pó que circulam livremente pela casa.

Teleoperados: São robôs semi-autônomos que usam uma rede sem fio para permitir o controle humano a uma distância segura. Comumente, atuam em ambientes extremos que não são propícios para humanos. Uma espécie de robô teleoperado pode ser um drone que detecta minas terrestres ou um submarino de conserto para vazamentos de tubos no mar. 

Robôs de aumento: Esse tipo de máquina aumenta as capacidades humanas já existentes ou substitui habilidades perdidas por uma pessoa. Geralmente, são utilizados na medicina com próteses mecânicas ou exoesqueletos utilizados ​​para levantar pesos pesados.

Existem ainda outras classificações, de acordo com a estrutura mecânica, grau de autonomia ou geração tecnológica. Os bots, ou robôs de software, não são considerados como parte do campo da robótica por existirem apenas na Internet e se originam em um computador. Como citado anteriormente, para ser considerado um robô é necessária uma estrutura mecânica. 

Robôs aplicados a negócios 

A robótica e sua tecnologia pode ser aplicada em diversos setores. As máquinas ajudam empresas e produtos a se desenvolverem e aumentarem sua efetividade. Isso vale não só para empreendimentos essencialmente tecnológicos, como startups e áreas de pesquisa e desenvolvimento. A robótica já está presente até no dia a dia da casa e em hábitos de consumo dos brasileiros. 

Descubra alguns exemplos de aplicação da robótica

Logística: Utilizar a robótica para envio, manuseio e controle de qualidade está se tornando praticamente obrigatório para a maioria dos varejistas e empresas de logística. Sabe aquela compra online que chega bem rápido? Ela conta com ajuda de robôs que atuam em em armazéns e até mesmo na estrada para ajudar a maximizar a eficiência do tempo. Algumas empresas mais desenvolvidas contam com robôs tirando itens das prateleiras, fazendo o transporte e embalagem: 

Casa: Com o crescimento da internet das coisas, os robôs já estão presentes nos lares das pessoas. Os mais comuns são os aspiradores automáticos, mas já existem outras formas mais desenvolvidas. A assistente virtual Alexa já virou robô e em suas novas versões, chamada de robô Astro, pode andar pela casa, fazer videochamadas e até manter uma conversa. 

Cuidados de saúde: Os robôs fizeram grandes avanços no setor de saúde, desde realizar cirurgias assistidas até bots que ajudam os humanos a se recuperar de lesões na fisioterapia. Durante a pandemia, eles trabalharam para produzir equipamentos de proteção individual para aliviar a alta demanda e conter a disseminação do coronavírus. 

Modelagem e prototipagem: A robótica também pode ser utilizada na impressão 3D para que empresas dimensionem seus produtos com facilidade e reduzam o tempo de montagem, desde prototipagem rápida até manufatura aditiva. Utilizar essa técnica pode ajudar a organização a reduzir erros, buscar pontos de melhoria e testar modelos funcionais de produtos. 

Agricultura: Com a ajuda da robótica, processos repetitivos como controle de ervas daninhas, colheita, classificação, embalagem, semeadura, pulverização, desbaste e poda podem ser realizados de forma eficaz sem assistência humana. Os robôs ainda podem realizar análises de campo de fazendas de gado. 

Como posso aprender robótica?

A robótica pode parecer uma área distante da realidade de muitas pessoas. Mas, alguns passos simples podem ajudar quem quer se desenvolver no segmento a começar a se tornar um especialista. Aprender matemática, programação, física e engenharia são algumas áreas do conhecimentos importantes para quem quer fazer robôs

Entender álgebra linear, dominar as linguagens de programação Python e C++. e as dinâmicas de movimento de um robô são primeiros passos. Entender ciência da computação também será um diferencial. Existem diversos cursos, a nível universitário ou livre, para se aprofundar no assunto. 

Para quem domina o inglês, a Robot Academy é uma plataforma aberta de aprendizagem que oferece vídeo aulas e cursos online para começar a entender a tecnologia. São mais de 200 aulas disponíveis que incluem noções básicas de robótica, geometria 2D e 3D, medição de movimento, braços robóticos, cinemática de velocidade, controle de articulação do robô, dinâmica de corpo rígido, visão robótica, e muitas outras matérias. 

Vale também começar a construir um primeiro robô, com as habilidades básicas de robótica e um kit de construção de robôs, disponíveis em lojas online ou de eletrônica. Entrar em clubes e competições também é uma maneira de trocar conhecimento e ganhar experiência no assunto, se desenvolvendo aos poucos. 

 

Os melhores conteúdos para impulsionar seu desenvolvimento pessoal e na carreira.

Junte-se a mais de 1 milhão de jovens!
Casdastro realizado, fique ligado para os conteúdos exclusivos!
Seu cadastro não foi realizado, tente novamente!

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: