‘Nada pode parar uma pessoa comprometida’

Se a decisão está na sua mão, por que não escolher fazer apenas aquilo que você realmente quer, pode e vai se comprometer?

Alexandre Brack, para o , em 16.12.2015
Alexandre Brack [AcervoPessoal]

Atualmente baseado no Rio de Janeiro, Alexandre Brack nasceu em Santa Catarina e cresceu  no Rio Grande do Sul. Foi lá que se formou em Administração de Empresas, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e teve suas primeiras experiências empreendedoras. Hoje, no entanto, inclinou-se para a carreira executiva. Fez parte da equipe da administração do Maracanã durante a Copa do Mundo e, aos 27 anos, é coordenador da equipe de inteligência de mercado e novos negócios do Aeroporto RIOgaleão, o segundo maior do país.

Alexandre também é membro do Núcleo, a comunidade alumni dos programas presenciais do Na Prática. A seguir, deixa o seu relato sobre a importância do comprometimento e o poder das escolhas:

Se tem uma coisa que aprendi com a minha carreira até agora é o poder do comprometimento. Não existe nada que pare uma pessoa comprometida.

Todos os dias temos a acesso a uma variedade de dicas, livros, conselhos para a vida profissional e pessoal: foco, equilíbrio, bom humor, paixão, entre outros. No livro Personal Branding, o autor Arthur Bender que também é um profissional que admiro muito escreveu sobre a importância de sabermos o que queremos ser e fazer. Céus! Como isso me deixou e ainda deixa nervoso!

A verdade é que, até hoje, não tenho certeza do que quero ser.

Não tenho certeza do que gosto e a cada dia descubro uma coisa nova, uma possibilidade maior, uma carreira diferente… Porém, uma coisa eu já escolhi: comprometer-me. Comprometer-me sempre em ser o melhor no que eu estiver fazendo naquele momento. E essa atitude tem aberto muitas portas para mim.

No final das contas, comprometer-se em ser o melhor não quer dizer você será, mas sim que você está 100% empenhado em tentar. Notamos quando alguém está comprometido, conseguimos reparar sua dedicação e esforço. E é exatamente esse o tipo de gente que queremos por perto. Esse é o tipo de pessoa que eu quero ter junto comigo, seja na minha equipe, entre os meus amigos ou que mesmo em um líder. São pessoas que se entregam, que conquistam e que superam obstáculos. Quando não estamos comprometidos, um pequeno problema pode virar um Everest.

Já trabalhei com muita gente de diferentes perfis, idades, origens, e percebi que não adianta ser um profissional muito inteligente se você não se comprometer, não vestir a camisa do seu projeto. As pessoas percebem a falta de vontade e o projeto desanda. Por outro lado, comprometimento, alto nível de energia e entrega… Isso gera motivação, estimula, agrega, contamina.

Quando eu trabalhei na Odebrecht, fiz parte da equipe responsável pela administração do Maracanã durante a Copa do Mundo. Desde o início da operação do estádio até o período anterior à Copa, trabalhamos muito. Todas as equipes: administração, engenharia, operações… Chegávamos cedo e virávamos noites. Ficávamos muito cansados, é claro. Mas todos os dias estávamos igualmente comprometidos em fazer aquilo dar certo, e essa energia contagiava o time, gerava nova motivação e mais comprometimento.

Leia também na Coluna do Núcleo: “As oportunidades existem, mas somos nós que devemos buscá-las”

Com o tempo, entendi que o primeiro passo para um comprometimento total é reconhecer que você tem o poder de escolher fazer praticamente o que quiser. E isso também significa que você pode escolher não fazer o que você não quer. Obviamente, cada escolha tem seus efeitos…

Mas então, se as escolhas estão nas suas mãos, por que não escolher fazer apenas aquilo que você realmente quer, pode e vai se comprometer?

Eu não tinha clareza disso até pouco tempo atrás, quando comecei a escolher “não fazer”. Consequentemente, comecei a fazer mais o que eu gosto e dar mais resultado. Uma coisa vem com a outra. Meus colegas e líderes percebem isso e têm a certeza de que quando estou em um projeto farei de tudo para entregar com o máximo de resultado. Comprometidos, passamos confiança e isso gera novas oportunidades.

Também fui entendendo que na vida e na carreira ninguém vai fazer essas escolhas por mim. Não existe um chefe (por melhor que ele seja), empresa, amigo ou parente que vai te guiar e construir sua carreira… Isso é com você!

Por outro lado, as pessoas podem e vão te apoiar se você buscar ajuda. Mas, de novo, é sempre muito mais gratificante ajudar alguém comprometido com o que quer. Hoje sinto uma liberdade muito maior para conversar com meus chefes e gestores sobre minhas ambições e insatisfações, pois sei que eles confiam em mim, sabem que estou comprometido com o trabalho.

Eu sei o que você deve estar pensando: é difícil manter-se o tempo todo energicamente comprometido com o que quer que seja. Isso é verdade, mas não é necessariamente um problema. Sempre vamos ter dias bons e dias ruins, projetos mais legais e outros nem tanto, programas excepcionais  e alguns tediosos. A questão é que quanto melhor você consegue filtrar isso, mais comprometido está. Isso vale tanto também para a vida pessoal.

Hoje, enquanto escrevo esse texto, percebo que meu compromisso comigo e minhas escolhas estão me deixando mais comprometido ainda para buscar mais e fazer mais, entrando num ciclo crescente em que coloco mais energia exatamente nas coisas que me trazem mais prazer. Por isso mesmo, meu recado é simples: comprometa-se!

logo_black
O Núcleo é a maior comunidade de jovens transformadores do Brasil, formada por ex-participantes dos programas presenciais do Na Prática. Os membros do Núcleo também têm essa coluna quinzenal no portal Na Prática, espaço exclusivo para contar suas histórias e inspirar mais jovens brasileiros! Saiba mais aqui.