Um Projeto: Fundação Estudar
autoconhecimento e inteligência emocional

O que autoconhecimento tem a ver com inteligência emocional?

Por Suria Barbosa

Qual é a relação de autoconhecimento e inteligência emocional? Para começar a entender, é importante saber que a inteligência emocional tem quatro pilares:

  • Perceber emoções (suas e dos outros)
  • Raciocinar a partir do que dizem as emoções (também suas e dos outros)
  • Entender o que as emoções significam
  • E gerenciar elas

É daí que vem o primeiro ponto da conexão “autoconhecimento e inteligência emocional”.

Autoconhecimento e inteligência emocional

Ter um bom nível de autoconhecimento ajuda a interpretar as próprias emoções, entender o que elas, de fato, querem dizer, fazer conexões com outros traços da sua personalidade, e, então, lidar da melhor forma com elas.

Então, para começar a se conhecer melhor e desenvolver a inteligência emocional, tente praticar uma auto-observação frequente em relação às suas emoções. Aprenda a identificar em você as emoções básicas e como elas se manifestam no dia a dia.

De outro lado, os principais aprendizados oriundos do esforço de se autoconhecer só são devidamente absorvidos quando se aceita sentir e falar sobre dor, vergonha, medo, etc., emoções negativas de forma geral. Ou seja, quando se é vulnerável.

E vulnerabilidade é o próximo link do autoconhecimento com a inteligência emocional. A vulnerabilidade, ou se colocar em posição de exposição emocional, é grande responsável pelas conexões mais profundas que fazemos.

Isso porque é muito mais fácil se identificar com pessoas que assumem erros, contam de momentos tristes e manifestam emoções. É bem mais difícil se conectar com pessoas que não transparecem nenhuma emoção ou fracasso; mostrar-se perfeito também é mostrar-se inatingível.

Por “se conectar”, você pode entender também “ter empatia”, – capacidade de enxergar as situações pela perspectiva dos outros –  um dos principais componentes da inteligência emocional. É ela uma das grandes responsáveis pela possibilidade de conexão significativa entre as pessoas.

Em resumo, a inteligência emocional engloba empatia, que se manifesta a partir da vulnerabilidade do outro. A vulnerabilidade, por sua vez, depende de um processo de autoconhecimento.

Por onde começar?

Em suma: o autoconhecimento te ajuda a desenvolver maior nível de inteligência emocional. O primeiro passo, então, pode ser focar exatamente no seu autoconhecimento.

Uma prática que é bastante útil para o início do processo é a meditação, pois promove exatamente um momento de se auto-observar. Treinar diariamente uma reflexão a respeito de como está reagindo às emoções – e como pode reagir melhor – ajuda a instalar o equilíbrio sempre que surgir um desconforto.

Tente também ficar de olho aos sinais de manifestação de emoções em outras pessoas. Assim, reage melhor, até com mais empatia, e fomenta relações saudáveis.


O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo