‘A Liga nos permite descobrir por qual área profissional temos interesse’

Gabriel Vinholi conta de onde veio o interesse em fundar a Liga Universitária de Empreendedorismo da Universidade Federal do ABC (LUE UFABC)

Letícia Moraes, para o , em 26.12.2014
Gabriel Vinholi Gabriel Vinholi [arquivo pessoal]

As Ligas Universitárias são muito tradicionais nas universidades do exterior, mas no Brasil, elas vêm ganhando espaço somente nos últimos anos. Reunindo estudantes de diversos cursos que se organizam para difundir assuntos que não são explorados na grade curricular e são de interesse comum, as Ligas têm como objetivo contribuir para a formação profissional dos alunos.

Em um primeiro momento, as Ligas Universitárias podem ser facilmente confundidas com as empresas juniores, mas a diferença é bem clara: enquanto a empresa júnior atua como uma espécie de consultoria, em que os estudantes colocam em prática a teoria aprendida em uma faculdade específica, a Liga Universitária apresenta temáticas multidisciplinares, que envolvem diferentes cursos, como empreendedorismo, por exemplo.

E foi justamente por essa área que o estudante do Bacharelado em Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do ABC, Gabriel Vinholi, se interessou. Em 2013, depois de ter contato com o Programa de Incubação de Ligas da Fundação Estudar, ele decidiu fundar a Liga Universitária de Empreendedorismo da Universidade Federal do ABC (LUE UFABC).

Assim que conheceu o programa, Gabriel não teve dúvidas e encarou o desafio de fundar uma Liga. Entre as suas principais motivações estavam contribuir para o desenvolvimento da sua universidade, deixando um legado de impacto para outros estudantes, e também desenvolver suas próprias habilidades: “Achei que a UFABC precisava de uma entidade para fomentar o tema empreendedorismo e permitir o desenvolvimento dos alunos nessa área. Além disso, seria uma boa oportunidade de desenvolvimento de soft skills – trabalho em equipe, liderança e capacidade de comunicação – e habilidades mais administrativas e gerenciais”, conta.

Ainda cursando a faculdade, Gabriel trabalhou na Endeavor e atualmente é estagiário da Fundação Estudar. Para ele, essas experiências profissionais surgiram e se tornaram realidade graças à Liga de Empreendedorismo que fundou. “Essa experiência me ensinou mais do que qualquer sala de aula. Tive a oportunidade de adquirir mais conhecimento sobre empreendedorismo, habilidades voltadas à gestão de projetos e de pessoas”, destaca.

Leia também: Ligas Universitárias promovem união do conhecimento com a prática

Como funciona a Liga
Os principais objetivos da LUE UFABC são capacitar os seus membros na área de empreendedorismo, tornando-os mais habilitados a empreender no futuro, divulgar a temática de empreendedorismo na universidade através de eventos e conectar pessoas interessadas no tema.

Para conseguir tudo isso, os alunos que fazem parte da Liga se reúnem periodicamente para discutir sobre o tema e organizar as atividades. “Participamos da Semana Global do Empreendedorismo realizando palestras, workshops e bate-papos sobre suas mais diversas frentes, como captação de recurso, metodologias para startups e empreendedorismo e universidade. O evento contou com mais de 400 pessoas e com palestrantes que eram empreendedores, CEOs, autores de livros e gestores públicos. Ele foi reconhecido como um dos maiores eventos da SGE Brasil completamente realizado por estudantes”, diz.

Entre as outras atividades desenvolvidas, Gabriel também destaca a facilitação do curso de formação de empreendedores de alto impacto, “Bota Pra Fazer”, da Endeavor; o Clube de Empreendedorismo, que permitia o encontro quinzenal dos membros para discussões mais profundas sobre temas ligados ao empreendedorismo; o apoio a pesquisas de alunos sobre o tema; e a organização de diversas outras palestras.

Para Gabriel, a participação nessas entidades ajuda a enriquecer o currículo, fornecendo uma experiência que deve ser um diferencial na hora de procurar o primeiro trabalho. “O mais importante, porém, é que ela permite que o estudante tenha contato com uma determinada área de trabalho antes de ingressar no mercado e descobrir se de fato se interessa por esse tipo de atividade”, reforça.

Leia também: Na Prática lança programa de relacionamento com organizações estudantis

Esta reportagem faz parte de uma série que o Na Prática organizou para ajudá-lo a conhecer diversas formas de aproveitar o período da faculdade ao máximo. Para conferir o especial completo, baixe o PDF abaixo:

Botão Especial