Um Projeto: Fundação Estudar
operario olhando obra - parcerias públicos-privadas

O que são parcerias público-privadas, as famosas PPPs?

Por Cecília Araújo

Entenda o modelo de sociedade que permite maior interação entre o poder público e as empresas, seus benefícios e desafios

Parcerias público-privadas, as famosas PPPs, são acordos entre os setores público e privado para a realização conjunta de determinado serviço ou obra de interesse da população.

Em uma PPP, a empresa normalmente fica responsável pelo projeto, assim como seu financiamento, execução e operação. O Estado, em contrapartida, paga a empresa de acordo com o desempenho do serviço prestado. Uma vez vencido o contrato, tudo o que foi construído é do governo.

Pense em grandes obras de infraestrutura que, embora sejam de responsabilidade do Estado, precisem de um investimento alto demais para ser totalmente realizado pelo poder público.

É principalmente para viabilizar projetos desse tipo que o Brasil vem lançando mão desse modelo de parceria, como no caso do metrô de Salvador, parte do metrô paulistano, a ampliação da rodovia paulista Tamoios, a rodovia mineira MG-050 e o projeto de irrigação do semiárido nordestino, no município pernambucano de Petrolina.

Baixe o ebook: 6 Brasileiros Que Estão Mudando a Forma Como Se Faz Gestão Pública

O que são parcerias público-privadas (PPPs)

O que fazem

Muitos outros setores além de infraestrutura fazem PPPs para implementar projetos. No campo da saúde, uma série de hospitais são construídos a partir da parceria, como o Hospital do Subúrbio na Bahia. Também está em licitação a construção e administração de um centro de proteção de dados para os bancos públicos.

Como nas parcerias público-privadas o Estado compartilha os riscos do projeto – ou seja, o governo vira “sócio” das empresas –, isso também pode motivar investimentos em áreas que antes pareciam pouco atraentes para a iniciativa privada no modelo de concessões, onde o risco é todo das empresas.

O modelo, no entanto, não é perfeito e levanta uma série de controvérsias. As PPPs prisionais são exemplo disso e têm sido criticadas por associarem o retorno aos investidores diretamente ao número de presos, o que para alguns pode inverter a prioridade para o aumento das prisões, ao invés da ressocialização do preso.

Leia também: 7 maneiras para fazer a diferença trabalhando na esfera pública

Regulamentação 

A Lei 11.079, de 2004, que inaugura as PPPs no Brasil, foi inspirada na fórmula inglesa das Private Finance Initiative (PFI) e regulamenta o modelo até então inédito no país.

Atualmente, entre as principais condições para estabelecer uma PPP estão:

  • A prestação de serviço deve durar entre 5 e 35 anos
  • Um valor de contrato superior a R$ 20 milhões

Aqui, a legislação classifica essas parcerias como um tipo de concessão – a principal diferença é que, nas concessões tradicionais, o Estado não paga as empresas. A lei também permite flexibilidade na maneira como os acordos são elaborados.

Dessa forma, é o contrato que vai estabelecer quais são as responsabilidades de cada uma das partes.

Por essa razão, um dos principais desafios para o avanço das PPP’s no país é a formação de advogados e gestores públicos especializados nesse tipo de contrato, capazes de elaborar um documento preciso – com métricas para avaliar desempenho e cumprimento de metas, atribuição de riscos, regras claras, prazos e multas. Além, é claro, de pessoas qualificadas e capacitadas para fazer a gestão das PPPs depois que o contrato é assinado.

Um contrato bem elaborado também é ferramenta importante para garantir segurança às empresas e atrair os investimentos privados.

A União não costuma ser considerada má pagadora, mas isso varia para estados e municípios, que muitas vezes acumulam dívidas públicas bastante altas.

Se qualquer uma dessas instâncias do poder público quiser assinar uma parceria com a iniciativa privada, é necessário fornecer garantias satisfatórias para que as empresas tenham confiança de que vão receber o dinheiro.

Essa preocupação deve estar na agenda dos gestores públicos e faz parte do amadurecimento dessa prática no Brasil. Para darem certo e trazerem melhorias para o país, as PPP’s precisam estar baseadas em um equilíbrio entre as partes pública e privada.

Abaixo, o ministro do STF Luís Roberto Barroso fala sobre gestão pública:

Exemplos de PPPs

  • O metrô de Salvador
  • Construção do Hospital do Subúrbio, também em Salvador
  • Parte do metrô de São Paulo
  • A ampliação da rodovia paulista Tamoios
  • A rodovia mineira MG-050
  • O projeto de irrigação do semiárido nordestino, no município pernambucano de Petrolina

Leia também: ‘Para fazer a diferença no 3º setor é preciso dialogar com as políticas públicas‘

 

Dica do Na Prática:

Ainda não sabe qual rumo dar para a sua carreira? Não deixe de conhecer bem de perto o mercado de trabalho antes de tomar qualquer decisão, pois um erro nesta etapa pode gerar grandes frustrações, te levando até caminhos que não fazem sentido para você. Mas fique tranquilo, foi pensando neste desafio que a Fundação Estudar criou o Carreira Na Prática, um curso no qual você irá visitar empresas, entender a rotina de trabalho e tirar dúvidas com profissionais para tomar decisões mais embasadas. Inscreva-se até este Domingo, 29/05, com 20% de desconto usando o cupom MINHACARREIRA. Clique aqui para saber mais!

 

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo