Metodologias ágeis

Quando pensamos na criação de um produto, é muito provável que a palavra “planejamento” esteja no centro das nossas considerações. Aliás, é preciso desenhar um roteiro bem estruturado que nos ajude a saber tudo que será preciso realizar para criar algo rentável.

Foi pensando nesse planejamento e em todas as etapas do processo de criar software que nasceram as metodologias ágeis. Mas o que elas são, para que servem e quais são as mais comuns? 

O Na Prática conversou com Renata Aguiar, Delivery Principal da Thoughtworks  que tirou todas as dúvidas dos nossos leitores. Confira a seguir.

O que são as metodologias ágeis?

Inicialmente, as metodologias ágeis surgiram como uma alternativa ao modelo tradicional de engenharia de software, herdado das outras engenharias (principalmente civil e mecânica). Segundo Renata, a ideia era que elas se fundamentassem em planejamento prévio e previsibilidade. 

“De modo geral, o ágil é uma mentalidade de trabalho que prioriza adaptabilidade e eliminação de desperdício por meio de foco em qualidade, melhoria contínua de processos e entrega rápida de valor”, explica a especialista. 

Todos os frameworks ágeis foram inspirados no Manifesto Ágil, texto escrito em 2001 por um grupo de pessoas desenvolvedoras, dentre elas Martin Fowler (Chief Scientist da Thoughtworks), que compartilhavam a insatisfação com o modelo vigente. O Manifesto trazia (e ainda traz, é claro) 4 valores principais:

  • Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas
  • Software funcionando mais que documentação extensa
  • Colaboração com a cliente mais que negociação de contratos
  • Responder a mudanças mais que seguir um plano

O texto base do Manifesto não prega a eliminação de ferramentas, documentação, contratos e planejamento. No entanto, defende que o mais importante são:

  • as interações e a colaboração entre as pessoas do time;
  • as entregas frequentes de software funcionando, que podem ser utilizados, validados e replanejados, para que, a partir da análise das métricas de produto, o time consiga evoluir e entregar cada vez mais valor; 
  • o diálogo franco do time com as partes interessadas pelo produto que está sendo construído; 
  • a adaptabilidade e resposta rápida à mudança, já que os requisitos podem ser alterados frequentemente por conta das lições aprendidas e do feedback rápido das usuárias do produto

Como as metodologias ágeis podem ajudar as empresas de hoje?

Na visão de Renata, o grande impacto das metodologias ágeis no dia a dia diz respeito a como elas ajudam a estruturar o trabalho. 

As ferramentas tornam os processos mais leves e eficientes, explica ela, na medida em que esses processos evoluem a cada ciclo, a partir das métricas do próprio time. No fim, elas são utilizadas para identificar gargalos nos processos e para o time perseguir a melhoria contínua.

“No entanto, acredito que a maior contribuição da metodologia ágil está relacionada à mudança de cultura dentro das empresas”, conta Renata. “Só é possível colher todos os frutos da agilidade se a estrutura organizacional proporcionar um ambiente seguro, no qual as pessoas tenham autonomia e espaço para errar e aprender.”

Sobre isso, Renata completa:

“As metodologias ágeis trouxeram uma mudança de paradigma quando paramos de nos perguntar ‘como entregamos tudo’ para entender ‘como entregamos o mais importante’. Ou quando deixamos de partir para a solução antes mesmo de descobrir qual é o problema e como saberemos que ele foi resolvido. Isso só é possível em uma organização madura, focada em empoderar as pessoas a tomarem as decisões e que colocam as usuárias em primeiro lugar.”

Quais são as principais metodologias ágeis?

Dados divulgados pelo State of Agile Report (2021) mostram que 66% dos times ágeis no mundo utilizam o modelo Scrum como a principal metodologia ágil. Na sequência, aparecem o Scrumban – um modelo híbrido que utiliza elementos do Scrum e do Kanban (9%), o Kanban (6%), o modelo híbrido Scrum/XP (6%) e o próprio XP (1%).

Segundo Renata, a cultura ágil é algo muito presente no dia a dia da Thoughtworks. Confira mais sobre as principais metodologias:

#1. Scrum

No Scrum, lançado em 1990, os times possuem papéis fixos e trabalham em ciclos com tempo de duração pré-definido pelo time (normalmente duas semanas).

“Funciona melhor quando existe bastante nitidez sobre o que será desenvolvido e não há necessidade de mudar a priorização e o planejamento dentre desse período de tempo.”

Saiba mais sobre o Scrum clicando aqui!

#2. Kanban

Nos times que usam Kanban (modelo criado em 1960 nas linhas de montagem Toyota), os papéis podem surgir de acordo com a necessidade e o fluxo de trabalho é contínuo. 

“É recomendado em situações nas quais a ordem das atividades e sua importância podem mudar com frequência e o time precisa estar pronto para responder prontamente às novas demandas.”

#3. XP

Programação extrema, ou simplesmente XP, é um modelo de trabalho menos versátil e mais utilizado para a engenharia de software. O modelo acompanha o andamento de melhorias nos processos relacionados aos programas que analisa.

#4. SAFe

Atualmente, ainda, fala-se muito sobre o SAFe (Scaled Agile Framework), que combina agilidade com práticas Lean e cultura DevOps para escalar o Ágil em todas as áreas de uma empresa.

“Eu particularmente considero o SAFe excessivamente prescritivo”, aponta Renata. “Acredito que o excesso de funções, eventos e práticas adicionam muita complexidade, fricção entre as equipe e acabam limitando a flexibilidade e a capacidade de resposta rápida a mudança que o ágil prega.”

Os melhores conteúdos para impulsionar seu desenvolvimento pessoal e na carreira.

Junte-se a mais de 1 milhão de jovens!
Casdastro realizado, fique ligado para os conteúdos exclusivos!
Seu cadastro não foi realizado, tente novamente!

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: