Cremer na prática: o trabalho de um gerente de planejamento

Victor Trenti, que entrou na empresa como trainee, conta como conseguiu crescer dentro da companhia e o que mais aprendeu em dois anos de casa

Cauê Marques, para o , em 15.09.2014
homem digitando no computador [shutterstock]

“Lugar de engenheiro é na indústria, otimizando processos, trabalhando com pessoas. O Brasil precisa melhorar a produção”, diz Victor Trenti, 25 anos, gerente de planejamento da Cremer – empresa especializada em produtos ligados à saúde e higiene pessoal. Engenheiro de produção formado pela Escola de Engenharia Mauá, ele conta que começou a carreira estagiando em uma pequena fábrica do mercado de plásticos. “Era uma empresa familiar, e eu tinha muito contato com todo mundo, independentemente do cargo, inclusive com o dono. Foi uma experiência muito legal e que me amadureceu bastante”, lembra.

Embora existisse a possibilidade de continuar trabalhando no negócio, Victor optou por ganhar experiência em outros lugares e decidiu participar dos tão famosos programas de trainee. Foi assim que ingressou na Cremer, em 2012. De lá para cá, vê com orgulho a história que construiu dentro da empresa em apenas dois anos de trabalho. “A Cremer é uma empresa diferente de muitas outras. Tem uma gestão transparente e muito jovem, o que é um dos segredos da alta produtividade aqui dentro”, diz Victor.

Leia também: A trajetória de um coordenador comercial na Cremer

Victor Trenti [Cauê Marques]

Crescimento na empresa
Victor não esconde que é um “funcionário Cremer”: começou como trainee, mostrou um bom desempenho e rapidamente galgou posições no organograma. O engenheiro conta que passar um tempo na sede, em Blumenau, Santa Catarina, foi fundamental para compreender o funcionamento da companhia. “Lá eu conheci de perto o dia a dia de operações, que viria a ser a minha área.”

Hoje, seu dia a dia na empresa é mais ou menos assim: ele chega por volta das 8 horas e usa a parte da manhã para avaliar os acontecimentos do dia anterior, analisar como vão os indicadores e direcionar a equipe para as prioridades da área. Na parte da tarde, busca trabalhar o desenvolvimento da equipe e pensar em como podem, juntos, otimizar os processos para garantir melhores resultados.

“Entre essas atividades, estão diversas reuniões para discussões estratégicas e para alinhamento e construção de soluções de problemas rotineiros. Em especial nos últimos meses, estou trabalhando muito em uma ferramenta de otimização matemática, chamada Advanced Planning, para rentabilizar ao máximo nossos planejamentos de produção e vendas.”

Victor conta que um dos seus maiores aprendizados na empresa até o momento foi descobrir o valor do trabalho coletivo, que é bastante forte na cultura da Cremer. “Gosto muito de trabalhar com pessoas e ajudá-las a se desenvolver. Quando construímos ideias em conjunto, cada um completa uma parte do quebra-cabeça, e todos se desenvolvem juntos”, diz.”

Para o jovem profissional que deseja fazer parte do quadro da Cremer, o gerente de planejamento revela: além das habilidades “convencionais”, ter vontade de arriscar é um diferencial para se destacar lá dentro. “A Cremer é uma empresa que sonha muito alto e não tem medo de tomar riscos. Para nós, errar não é um problema, e sim ser mediano.”

Leia também: Saúde, o poder de ajudar a salvar vidas

Desafios do setor
Mesmo que os números atuais sejam estimulantes, a indústria de saúde, segundo Victor, ainda tem muito o que aprender. “Existem grandes profissionais no mercado, mas há muito desperdício de dinheiro e tempo durante os processos, que poderiam estar sendo investidos de maneira mais produtiva e voltada para o objetivo principal do setor, que é salvar vidas”, destaca. Para ele, nesse contexto, a Cremer já cumpre um papel fundamental na saúde do país.

Porém, ele admite que há alguns desafios pela frente. “O principal deles é a dificuldade em se estabelecer parcerias estreitas com os hospitais. Nossos produtos – commodities como algodão, compressas de gazes, sondas etc. – não têm tanto valor agregado, mas são amplamente buscados – o que se reflete no alto volume de vendas”, diz. “Acredito que podemos ajudar os hospitais a crescer e fazer a diferença no setor. É isso que motiva nosso trabalho e impulsiona a nossa busca por soluções”, acrescenta.

Leia também: Bens de consumo, o foco no produto

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.