Um Projeto: Fundação Estudar
microsoft japão

Microsoft testa semana de trabalho de quatro dias e vê vendas dos funcionários crescer em 40%

Por Suria Barbosa

A partir de experimento com semana de quatro dias, que visava clarear o impacto da flexibilização das condições de trabalho, a Microsoft Japão mapeou diversos benefícios para os colaboradores e para os negócios.

Aumento nas vendas, da satisfação dos funcionários e diminuição dos gastos. Esses são três dos resultados de um experimento da Microsoft Japão. Intitulado “Work-Life Choice Challenge Summer 2019”, o teste consistiu em estipular semanas de trabalho com quatro dias: os colaboradores tiraram folga (remunerada) por cinco sextas-feiras consecutivas.

O Japão, onde a gigante de tecnologia aplicou o programa, é conhecido por uma cultura de trabalho rigorosa, com estímulo à dedicação extrema por parte dos profissionais. Em 2017, por exemplo, uma jornalista de 31 anos morreu depois de trabalhar 159 horas extras em um mês. Esse e outros casos fomentaram algumas mudanças nas leis do país a fim de promover mais o equilíbrio vida pessoal e profissional.

Críticos, no entanto, destacam que a cultura é tão enraizada que as medidas do governo ainda são insuficientes. Nesse cenário, a iniciativa da Microsoft Japão dá luz à alternativas que as organizações podem tomar – e deixa claro que condições melhores de qualidade de vida reverberam também em benefícios para as organizações.

Cursos da Fundação Estudar

Os resultados do experimento da Microsoft Japão 

Na prática, nas sextas-feiras fora do trabalho, os funcionários tinham um limite de 30 minutos de reuniões por dia. Eles também eram incentivados a fazer qualquer contato online, ao invés de presencialmente.

Além disso, alguns colaboradores tiveram semanas de três dias, com permissão para trabalhar remotamente. A Microsoft Japão também aplicou um programa de suporte, em que prestou assistência financeira aos para “despesas relacionadas ao autodesenvolvimento, viagens familiares, atividades de ‘contribuição social’ etc.”

O objetivo era entender como flexibilidade a mais estilos de trabalho poderia impactar. No relatório final do teste, a empresa comparou algumas métricas com as dos mesmos meses em anos anteriores. Em agosto (2019), por exemplo, alguns resultados foram:

  • Páginas impressas (custos): -58,7% (comparado a agosto de 2016)
  • Vendas por colaborador: +39.9% (comparado a agosto de 2018)
  • Reuniões de 30 minutos: +46% (comparado a agosto de 2018)
  • Consumo de eletricidade: -23,1% (comparado a agosto de 2016)

Um ponto levantado pela companhia é que não é possível atribuir os resultados exclusivamente às medidas experimento – elas são, provavelmente, fruto da conjunção de diversos fatores, explicam.

A Microsoft Japão também não deixa claro, no relatório, como aplicará as descobertas na rotina futura dos seus colaboradores, mas informa os desafios levantados (como assimetria de informação entre departamentos) a serem trabalhados em um concurso interno de ideias sobre o tema. 

Leia também: Trabalhar mais de 39 horas por semana pode estar matando você

Como a ciência fortalece o argumento

Algumas pesquisas corroboram a hipótese de que flexibilizar as condições de trabalho pode aumentar a produtividade. A Harvard Business Review, por exemplo, mostrou o caso de uma agência de viagens chinesa, que registrou um aumento de 13% na produtividade quando permitiu que os funcionários de seu call center trabalhassem remotamente.

Na Nova Zelândia, uma empresa implantou uma jornada de trabalho de quatro dias, mas manteve o salário. Inicialmente como um teste e agora uma medida permanente, a organização neozelandesa viu a produtividade de seus colaboradores aumentar em cerca de 24%, a satisfação em 5% e o estresse diminuir em 7%.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo