Um Projeto: Fundação Estudar

5 coisas que todos têm que fazer aos 20 e poucos (ou tantos) para alavancar a carreira

Por Suria Barbosa

“Se você é novo no mercado de trabalho e procura se destacar, a melhor coisa que pode fazer é moldar seu próprio caminho.” A recomendação é da escritora especializada na intersecção entre bioética (estudo transdisciplinar entre Ciências Biológicas, Ciências da Saúde, Filosofia e Direito) e cultura popular Elizabeth Yuko.

Em texto no site Thrive Global, ela destaca o que mais jovens profissionais podem fazer no começo da carreira para alavancá-la, segundo diversos especialistas com quem conversou.

5 coisas que todos têm que fazer aos 20 e tantos para alavancar a carreira

#1 Conhecer o básico de finanças

“Nos 20 e tantos, a melhor coisa que você pode fazer é se informar sobre finanças.

É o que diz Alan Benson, Ph.D. e professor assistente na Carlson School of Management, da Universidade de Minnesota-Twin Cities.

“Pesquisadores utilizando experimentos aleatórios descobriram que só dar algumas informações básicas para quem está entre os 20 anos – como [sobre] ganhos médios para a profissão escolhida, ou quanto cada dólar economizado hoje valerá na aposentadoria – pode ter grandes efeitos em relação às suas escolhas de áreas que entram e saem”, explica o professor.

#2 Pesquisar sobre as empresas

Ainda que o mercado seja mais quente para quem está nessa faixa de idade, isso não significa que os processos seletivos são simples, ou que o jovem não precisa se dedicar tanto.

“Então, quando você encontrar o trabalho que deseja, certifique-se de fazer sua pesquisa sobre a empresa, as pessoas com quem você vai trabalhar e seus ganhos recentes.”

“Os recrutadores ficarão impressionados quando você for além da publicação de vagas para aprender sobre a empresa e sua cultura”, afirma Benson.

Leia também: Como (e por que) se preparar para os processos seletivos

#3 Testar atividades

Você pode não saber exatamente o que deseja fazer pelo resto da sua vida quando está perto dos 20 anos – e tudo bem. De acordo com Benson,

“é improvável que a maioria das pessoas tenha a mesma carreira em seus 20 anos do que em seus 30 anos, então é um ótimo momento para aprender, crescer e descobrir se esse é o caminho certo para você.”

De outro lado, nessa fase, os empregadores costumam estar mais propensos a aceitar o interesse em desenvolvimento e experimentação e a tolerar que o profissional não tenha experiência compreensiva de todos os aspectos do trabalho. “Use isso a seu favor, levantando a mão para se voluntariar em projetos interessantes e se juntar a equipes com quem quer aprender.”

#4 Capitalizar as habilidades que o diferenciam

“As pessoas nos 20 anos podem não ter o mesmo tempo de experiência que seus colegas mais velhos, mas a chave é se concentrar nas habilidades que têm que as diferenciam”, destaca Jessica R. Methot, Ph.D., e professora associada de gestão de recursos humanos na Universidade Rutgers.

A especialista utiliza o tema “habilidades digitais” para ilustrar o conselho. Muitas organizações estão passando por uma transformação digital. O resultado é uma lacuna de talentos “digitais”.

A boa notícia para as pessoas na casa dos 20 anos é que esse tipo de talento digital inclui conhecimento e habilidades – como navegar nas redes sociais, realizar pesquisas online ou adquirir novas tecnologias – normalmente concentrado nos millennials. “Por isso não hesite em realçar essas informações nos currículos e cartas de apresentação.”

#5 Desenvolver uma rede de suporte

“Nunca subestime o poder dos bons conselhos e do suporte.”

Methot indica focar em desenvolver um network de pessoas que sirvam como conselheiros – e que não sejam seus pais. “São pessoas que têm interesse e agem ativamente para você avançar em sua carreira, mas não foram formalmente designadas”, explica ela.

Sua rede deve conter pessoas de níveis hierárquicos diferentes do seu, que trabaham dentro e fora da organização em que você está (se está em uma).

Esse gruo pode oferecer perspectivas diferentes, suporte, conselhos, instruções e “patrocínio”.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo