Um Projeto: Fundação Estudar

Bate-papo com Arnaldo Tibyriçá

Por Rafael Carvalho

Entre o mundo do direito e dos negócios: conheça o VP jurídico do Grupo Abril

Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Arnaldo Tibyriçá começou a carreira com um breve período de atuação em escritórios de advocacia, para logo perceber que era um misto de homem de negócios com advogado. Alguém no meio do caminho entre advocacia e finanças, como costuma dizer.

Desde então, vem acumulando vasta experiência corporativa em grandes empresas: passou pelos departamentos jurídicos do Grupo Itaú Unibanco, entre 1984 e 2002, da antiga BCP Telecomunicações (hoje a Claro), e da C&A, até ingressar na Editora Abril em 2003, onde hoje é vice-presidente jurídico corporativo e faz parte do conselho.

No Itaú, se envolveu na missão de buscar uma linha de negócios juridicamente sustentável para o banco. Na C&A, participou da construção da marca na Argentina, cuidando da integralização societária, mobiliária, consumo industrial, importação e exportação.

Hoje, no Grupo Abril, está entre as tarefas de sua equipe ajudar os jornalistas a entenderem todas as questões jurídicas relacionadas ao que é publicado, e dar uma espécie de consultoria interna caso haja alguma dúvida. No entanto, chama atenção para o fato de que o jurídico jamais interfere no editorial: a redação tem o direito de consultar a equipe especializada em direito, mas toma todas as decisões.

Além disso, é necessário lidar com os outros assuntos jurídicos relacionados a empresa, não só as discussões de injúria, calúnia ou difamação, mas também tópicos de direito trabalhista, tributários, do consumidor e de imprensa. Todos os processos envolvendo o grupo, por exemplo, passam pela equipe de Arnaldo, que consegue manter uma média de vitória de 95% dos casos.

Segundo ele, o departamento jurídico deve ser estratégico e precisa funcionar como uma parte totalmente integrada à empresa. Em outras palavras, não pode ser tratado como um órgão especializado que só é acionado quando necessário – ao contrário, deve estar envolvido em todos os aspectos do negócio.

No bate-papo, ele falará sobre suas decisões de carreira, quais são os desafios de atuar no setor jurídico de uma grande empresa, e ainda trará conselhos para os jovens que estão iniciando a trajetória profissional tanto na área do direito como de gestão empresarial.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo